• Raphael Kakazu

Símbolo: Bruxaria, Dior, Balenciaga e Moda

“O símbolo, é um signo que se refere ao objeto que denota em virtude de uma lei, normalmente uma associação de ideias gerais que opera no sentido de fazer com que o símbolo seja interpretado como se referindo aquele objeto". - Charles Sanders Peirce

Esse texto cuja autoria pertence à Andrea Cheng, exemplifica o segundo tópico para debatermos bruxaria e moda. Relembrando o que vimos no primeiro artigo sobre o ícone da bruxa utilizado para “criar” uma imagem, hoje vamos olhar para o que há por trás dessa imagem. O que a bruxa simboliza dentro da nossa história. Ao nos apropriarmos dos termos bruxa, feiticeira, curandeira, e afins o que estamos querendo dizer ao mundo? Porque o ícone nos é tão agradável a ponto de transformá-lo em um símbolo?

Há dois anos, em um ritual oculto em massa, milhares de bruxas em todo o país usavam seus poderes para lançar um feitiço sobre o presidente. Lana Del Rey foi uma delas, incentivando seus fãs a participar de um feitiço vinculado que foi programado para a lua minguante, que se acredita ser o melhor momento para eliminar a energia negativa.

"Seus pensamentos são muito poderosos e eles se tornam palavras, e palavras se tornam ações, e ações levam a cargas físicas", disse Del Rey certa vez sobre suas crenças. "Eu realmente acredito que as palavras são uma das últimas formas de magia e eu sou um pouco mística no coração ".

Uma vez declarados como atos de maldade, aqueles que praticavam “bruxaria” ou exibiam qualquer tipo de independência, sexualidade, poder ou aptidão para curar eram perseguidos, torturados, enforcados e queimados vivos, sendo o caso mais notório em Salém, a caça às bruxas mais sangrenta na história dos EUA que aconteceu de fevereiro de 1692 a maio de 1693 e que começou quando um grupo de meninas afirmou terem sido possuídas pelo diabo em Salem Village, Massachusetts, e acusaram mulheres locais de praticar bruxaria. Isso provocou histeria em massa e resultou no enforcamento de 20 "bruxas" que foram consideradas culpadas pelo julgamento, enquanto mais de 200 homens, mulheres e crianças foram acusados.

Agora, o místico, o sobrenatural e o inexplicável, junto com todas as coisas que eram consideradas perigosas e ameaçadoras tornaram-se tão comuns que as bruxas evoluíram; antes representadas como feias e vilãs hoje são carismáticas, charmosas e chiques graças à cultura popular.

E assim, é claro, para designers, cujas fontes de inspiração não têm limites, esse apelo à bruxaria, à necromancia, à história dos desprovidos de privilégios e à natureza rebelde dessas mulheres tem sido irresistível.

Para Alexander McQueen, isso o atingiu em um nível pessoal. Ao saber que uma parente distante, Elizabeth Howe, foi executada durante os julgamentos de bruxas de Salem em 1692, ele apresentou seu programa de outono/inverno de 2007 temas que examinavam o paganismo e a perseguição religiosa. Modelos andavam em um pentagrama vermelho gigante desenhado em areia preta, debaixo de uma pirâmide invertida e contra o pano de fundo de horrível de mulheres nuas, gafanhotos e caveiras. Peças de couro preto brilhantes e chapéus celestes, uma lua crescente e uma estrela, da coleção serviram como uma interpretação mais literal da bruxaria.



Quando Carly Cushnie e Michelle Ochs mostraram como interpretaram os julgamentos das bruxas de Salem com uma série de vestidos de cetim para a coleção de outono/inverno 2013 de Cushnie et Och, Cushnie argumentou: “A bruxa é a melhor garota má. Você quer ser ela.“

Mas talvez uma das primeiras coleções que homenageie as bruxas tenha sido a de Vivienne Westwood, que, no outono/inverno de 1983, fez parceria com o artista-músico-designer Malcolm McLaren. Intitulado “Witches”, os dois criaram uma formação que foi influenciada pela "linguagem de sinais mágica e esotérica" de Keith Haring e pela cultura hip-hop dos anos 80.

As influências de bruxaria surgiram em três shows no outono/inverno 2013. Gareth Pugh enviou uma série de modelos de risca de giz; Ann Demeulemeester mostrou vestidos finos e encantadores e Rick Owens criou designs grandiosos.



Mas foi King Kawakubo quem levou o motivo ao extremo. Sua coleção “Comme des Garcons” no Primavera/Verão de 2016, ou Blue Witches, era sobre “mulheres poderosas que são incompreendidas, mas que fazem o bem ao mundo”. Gigante, experimental e abstrata, ela conjurou criações incríveis que eram fantásticas em todos os sentidos da palavra.



E embora haja um lado sombrio na bruxaria, também há o aspecto fascinante que encantou muitos designers. "Crescemos com bruxas", disse Thea Bregazzi, da Preen, por Thornton Bregazzi. "Há muita coisa na ilha de Man, as pessoas vão vê-los para curar dores de garganta e doenças assim." E, para sua coleção Primavera/Verão 2017, os dois sonharam com uma exibição deslumbrante de glitter, chiffon, flores e pentagramas.



Maria Grazia Chiuri teve a mesma ideia para sua primeira coleção da Dior. Para a primavera/verão de 2017, ela revelou sua visão para a casa de luxo: forte e descaradamente feminina. Havia vestidos diáfanos místicos bordados com estrelas, luas e morcegos, um uniforme para uma bruxa moderna.



O símbolo por trás da bruxa e transformado em ícone pelas passarelas nos fala sobre superação, independência, força e soberania. A mulher que tanto fora subjugada nos tempos passados hoje redescobre e reconhece a sua força e seu lugar no mundo como este sendo qualquer um, desde que ela queria estar ali; a bruxa simboliza aquela que caminha por onde deseja e está exatamente onde quer estar. Logo, a roupa não é um meio para ser ou nos tornar, ela é uma via para expressar um ideal, um modo de vida e/ou um pensamento particular, seja consciente ou inconsciente.

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • cartaicone