• White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • cartaicone
  • Katy Frisvold

Por que a mudança climática é uma irrelevância...

...o crescimento econômico é um mito e a sustentabilidade está quarenta anos atrasada.






Escrito por Kevin Casey, em 11/2019 em Globalcomment


Como alguém que explora as regiões selvagens mais isoladas do mundo há quase meio século, tenho algumas impressões sobre o estado do planeta e a atual confusão ambiental da raça humana. Eu testemunhei a condição da Terra despencar diante dos meus olhos durante minha própria vida, na medida em que eu não a reconheço mais como a bela e diversificada apoiadora de toda a vida que ela era antes.


Então, deixe-me começar abordando alguns pontos-chave de confusão que parecem afetar tanto ativistas quanto aos cegos negadores em igual medida:


A mudança climática não é a maior ameaça ao meio ambiente do mundo - nós somos. Os rios e mares do mundo não estão repletos de pilhas flutuantes de lixo, produtos químicos tóxicos e resíduos de plástico por causa das mudanças climáticas. Eles estão assim porque temos 7,7 bilhões de pessoas amontoadas em um planeta que está morrendo sob a pressão de nossos abusos gananciosos e egoístas. Daqui a duas décadas, os oceanos da Terra serão alvos para conterem mais plástico (em peso) do que peixes. A mudança climática não fez isso. Pessoas demais fizeram isso.


As mudanças climáticas não cobriram o mundo de concreto ou substituíram ecossistemas saudáveis ​​por propriedades com canais e shoppings - nós e nosso número cada vez maior somos os culpados. A mudança climática é apenas um dos muitos sintomas de uma doença fora de controle - superpopulação humana. O dano ambiental irreversível decorrente de termos muitas pessoas em um planeta finito já é dolorosamente evidente. Nossa população inchada está diminuindo o futuro de nossos filhos em formas que têm muito pouco a ver com a temperatura do planeta.


Continuo ouvindo as pessoas dizerem: "Os humanos sempre encontraram uma maneira de resolver problemas difíceis, então não se preocupe - tudo se resolverá". Infelizmente, o problema que a Terra enfrenta agora é um que nunca havia enfrentado antes - uma praga de quase 8 bilhões de seres humanos. Ela não aguenta mais.


Ficamos tão distraídos em ganhar dinheiro, abraçando nossas agendas e divulgando mitos sobre 'crescimento' e 'progresso' que nos esquecemos de notar que transformamos nosso único lar planetário viável em um depósito de lixo esférico. Os seres humanos podem ser impressionantemente inteligentes, mas também são profundamente autocentrados e míopes.


Nenhum político fala sobre a epidemia populacional. Tudo o que você ouve é 'empregos, empregos, empregos' e 'mais crescimento'. Você também não ouve ativistas da mudança climática falando sobre superpopulação. É um assunto muito perigoso, uma realidade muito dolorosa. É um assunto espinhoso.


Em vez disso, todos nós pulamos na onda do aquecimento global. Culpamos estritamente os governos pela falta de ação em relação às mudanças climáticas - enquanto esperamos secretamente que o que eles decidirem não afete adversamente o estilo de vida do consumidor.


Não vamos confundir ativismo com ação – não é a mesma coisa. Uma coisa é sobre inclusão social e se sentir bem com sua indignação; a outra é fazer algo tangível para melhorar as coisas.


Eu odeio estourar essa bolha da velha escola, mas não existe mais essa coisa de crescimento econômico - não neste século. Também não há sustentabilidade real – ela não existe mais. O "ponto de inflexão ambiental" sobre o qual todos adoram falar foi alcançado por volta dos anos 80, quando a ciência nos disse que a humanidade começou a consumir mais recursos da Terra do que o planeta poderia se regenerar. Devoramos mais recursos do nosso planeta nos últimos cinquenta anos do que em toda a história humana anterior combinada e poluímos nosso caminho para a prosperidade no processo. A mudança climática não tem nada a ver com isso - e ainda não tem.


O crescimento econômico precisa do crescimento populacional para se sustentar. Mas quando um planeta empobrecido não pode mais carregar o fardo de uma população existente e suas infinitas demandas, o crescimento não passa de uma ilusão perigosa. A "economia saudável" de hoje é a miséria distópica de amanhã.


Neste século, o que ainda chamamos erroneamente de crescimento econômico é a destruição ambiental, pura e simples. Nada do que fazemos hoje pode ser chamado de sustentável em um planeta que já sofreu quatro décadas sólidas de uso insubstituível de recursos. A década de 70 foi a última sustentável para a humanidade. Infelizmente, na época, ninguém notou que um ponto de inflexão havia sido alcançado e passado.


Nossos problemas ambientais atuais não têm quase nada a ver com o clima e tudo a ver com o modo como tratamos a Terra - não apenas recentemente, mas há muitos séculos. Sempre abusamos terrivelmente da Terra e conseguimos nos safar porque nossos números não eram significativos o suficiente para causar danos duradouros. Agora nossos números estão fora de controle, e isso nos apresenta opções limitadas.


Em retrospectiva, deveríamos ter abordado a superpopulação galopante logo após a Segunda Guerra Mundial, quando a população global ainda estava em torno de 2,5 bilhões - menos de um terço do que é hoje. Mas estávamos no meio do otimismo jubiloso do pós-guerra e ainda acreditávamos na ilusão da "recompensa sem fim da natureza".


Se você pudesse voltar no tempo, por volta de 1604, ao local onde Manhattan agora se ergue, você veria um pequeno povoado de cerca de 150 pessoas desfrutando de uma região selvagem intocada, com excelente solo, ampla fauna e florestas abundantes de madeira - um verdadeiro paraíso na terra. Naquela época, as baleias subiam pelo rio Hudson, rico em peixes, e você podia tirar lagostas do mar com a metade do tamanho de um homem. Bandos enormes de pombos escureciam o céu.


Hoje, esse mesmo local é concreto de parede a parede, com uma das maiores densidades populacionais humanas da Terra. Estamos tão ocupados em "melhorar" as coisas que destruímos praticamente tudo. No final, nosso legado como espécie não será sobre todas as coisas maravilhosas que criamos enquanto ocupamos a terra. Será sobre todas as coisas maravilhosas que destruímos.


A explosão mais surpreendente da população humana na história aconteceu no tempo da minha geração, por isso precisamos nos apropriar dessa falta de previsão. Nossos próprios filhos estão agora pagando o preço pelos nossos erros e têm todo o direito de se preocupar com o futuro da Terra - e o deles. Mas não vamos colocar toda a culpa nos baby boomers. As gerações anteriores ajudaram a degradação do planeta de maneira igualmente cega, e os jovens de hoje ainda esperam o tipo de estilo de vida próspero que um planeta moribundo agora só pode proporcionar em curto prazo.


Por isso, peço pacientemente a todos os ativistas da mudança climática que direcionem suas preocupações ambientais para aquelas que realmente as merecem. Eles podem começar com economistas, desenvolvedores e políticos que acreditam alegremente que o status quo de "crescimento perpétuo" ainda funciona. Eles podem então passar para os fanáticos religiosos que ainda falam o mantra do 'domínio do homem sobre a natureza' e abominam a ideia de contraceptivos. Depois disso, eles podem atribuir uma grande dose de culpa aos líderes mundiais que propositalmente evitam a questão da superpopulação, como a batata quente política, apesar de estar matando nosso planeta e roubando as gerações futuras da biodiversidade espetacular e dos ecossistemas viáveis ​​que gerações tomaram como garantidas. E, finalmente, eles podem se olhar no espelho e se perguntarem o que estão fazendo individualmente (além de protestar nas ruas) para tornar seu planeta um lugar melhor para toda a vida que nele habita.


Quais são as soluções para um planeta superlotado? Em primeiro lugar, deixar de ser iludido pela indústria das mudanças climáticas e reconhecer que o problema é nosso grande número e flagrante desconsideração pela saúde do planeta – e não o clima. Devemos substituir agendas político-econômicas e ideologias distorcidas por melhor educação (especialmente em ciências). Precisamos de mais promoção global do planejamento familiar, mais empoderamento feminino e incentivos do governo para ter-se menos filhos - e não mais. E, infelizmente, deveríamos ter sido proativos com relação a tudo isso há pelo menos 60 anos, em vez de apenas acordarmos agora com a nossa situação auto infligida.


Embora seja reconfortante que os jovens de hoje estejam cada vez mais conscientes da gravidade de sua situação ambiental, eles estão protestando na árvore errada. Eles deveriam direcionar sua atenção apaixonada ao inimigo real - uma espécie gananciosa, arrogante e de duas pernas, que está em furiosa negação e se tornou adepta demais de inventar desculpas para o imperdoável.