• Nick de Mattos Frisvold

Os Encantamentos de Circe




O Cantus Circaeus de Giordano Bruno foi publicado em Paris, 1582, quando ele tinha 34 anos e desfrutava de grande renome e mecenato até 1593 com as acusações de heresia que o levaram a ser queimado na fogueira em 17 de fevereiro de 1600.


Todo o processo contra ele foi tristemente perdido, mas sabemos que os elementos mais provocativos para a Igreja eram suas heresias em relação a "doutrina do universo infinito e os inúmeros mundos" e suas crenças "sobre o movimento da terra". Isso porque as idéias que Bruno sustentava sobre múltiplos universos não hierárquicos tiveram conseqüências graves para toda a cristologia, onde o coração da Igreja, Jesus Cristo, se tornou, na melhor das hipóteses, irrelevante ou na pior das hipóteses, um engano teológico. Giordano Bruno via o cosmos repleto de idéias e formas que geravam laços únicos entre si e que entravam em ritmos cósmicos imitando a relação entre o Sol e a Terra. Basicamente, ele via todas as estrelas como sóis, uma ideia ousada em um tempo em que o debate ainda ocorria entre a astronomia apresentada por Galileu e Copérnico, onde Giordano Bruno antecipava o paradigma newtoniano e a física quântica. Giordano rejeitava a hierarquia ptolomaica que naturalmente colocava Deus em uma posição superior como o misterioso motor de todos os corpos cósmicos em um relacionamento hierárquico. Para ele, esta era uma mentira cosmológica.


O pensamento de Giordano tem sido descrito como panteísta e pandeísta, sendo ambas as idéias solidárias, uma vez que o pandeísmo implica que a força criadora na conclusão da criação se fundiu com seu próprio produto criativo. O panteísmo diz que o material e o espiritual são iguais, afirmando que o mundo material é tão divino quanto o reino espiritual. Portanto, o que se tornou o espinho crescente entre Giordano Bruno e a Igreja foi, entre outras questões, foi essa heresia específica. A doutrina católica pode chegar a concordar que podemos experimentar a graça e o mistério divinos em virtude de sua criação, mas dizer que o criador está presente em sua criação impactaria toda a teologia e, em particular, a ideia de Jesus Cristo, sua perfeição e pretensão à regência cósmica.


É importante ter-se em mente a visão de mundo de Giordano, pois agora examinaremos as Inações de Circe, enquanto aqui encontramos uma apresentação da famosa feiticeira perfeita em si mesma como a personificação do Sol, em virtude de ser sua filha. Não só isso, os encantamentos de Circe também demonstram o sistema único de memória mágica que Giordano desenvolveu através de uma abordagem bastante 'feiticeira' de hinos planetários, mostrando Circe como alguém que não se inclina à autoridade, mas exige o que ela quer em virtude dos laços que ela estabeleceu com os poderes em questão. Ela é apresentada como alguém que é aprendeu no folclore mágico que reside em lugares ocultos, mas que sua casa é guardada por 'coisas domésticas', tais como ovelhas, vacas, cabras e animais selvagens que vivem na floresta ao redor de sua casa. É um lugar rico em pássaros e peixes. Circe é apresentada como alguém cuja sabedoria mágica está ligada ao culto doméstico da casa e, como tal, estaria em sintonia com as origens agrícolas e domésticas do que freqüentemente é chamado de bruxaria, ou seja, a arte desenvolvida em torno das necessidades dos camponeses e das sociedades agrícolas.


No entanto, para entrar na casa dela, você deve primeiro confrontar um porco lamacento que está guardando a entrada de seu átrio. É crucial que ao entrar neste átrio você evite brigar com o porco e que o porco não o deixe sujo. O significado desse encontro é explicado mais adiante, no folheto em que Circe ensina sua aluna, Moeris, sobre as qualidades dos suínos, onde ela lista dois conjuntos de qualidades, todas ruins, de A a Z; e assim Giordano descreve quais qualidades é preciso evitar ao entrar no átrio. Basicamente, você deve ser uma pessoa virtuosa, tranquila e consciente para entrar no átrio de Circe!


Passando por este teste, você será confrontado com um cão terrível e que rosna, onde você não deve entreter a ferocidade do cão ao mesmo tempo em que evita seus ataques, e igualmente você deve evitar atacar o cão. Se este teste for resolvido com sucesso, um galo (solar) te levará à presença de Circe.


O interessante aqui é observar a arte da memória de Giordano Bruno usada na prática, como elementos de uma estória; e portanto já sabemos que o mistério de Circe é guardado pela vida doméstica, os animais silvestres da floresta, os peixes, porcos, cães e galos e estas são as qualidades dos animais que tenderão a surgir quando nos lembramos de Circe. O uso de qualidades definidas no formato de hino ou chamado continua no primeiro diálogo que é assim:


"Sol, tu que iluminas todas as coisas. Apolo, ouvinte da música, portador da aljava, portador do arco, poderoso com suas flechas; Pythius, portador do louro, profeta, pastor, poeta, augure e médico; Phoebus, o rosado, de longos cabelos, aquele com lindos cachos, o dourado, brilhante, pacífico, tocador de cítara, cantor e orador da verdade; Titã, Milesiano, Palatino, Cirriano, Timbriano, Deliano, Délfico, Leucadiano, Tegaiano, Capitoliano, Sminteano, Ismeano e Lataliano; tu que atribuis naturezas miraculosas aos elementos, pelos quais a dispensação dos mares se torna túrgida ou calma, o ar e os céus são despertos ou serenos, o poder e a força dos fogos são direcionados ou reprimidos. Por sua administração, a estrutura do universo floresce, o poder inescrutável da manifestação das idéias que nos penetra por baixo, através dos meios da alma do mundo. Daí vêm os vários e múltiplos poderes das ervas, plantas e pedras, capazes de atrair o Espírito Universal para eles através dos raios das estrelas.


Esteja presente para os votos sagrados de sua filha, Circe. Se sou casto de espírito e a vós vinculado, esteja comigo para que eu possa ter a faculdade de realizar ritos dignos de ti. Eis que erguemos facilmente altares para ti. Seus incensos perfumados estão presentes aqui, até a fumaça do sândalo corado. Eis que pela primeira vez, sussurrei canções bárbaras e misteriosas. As limpezas foram concluídas. Liberamos sete tipos de perfume para os sete príncipes do mundo. Os afrouxamentos e as amarrações usuais foram realizados. Adornamos todas as coisas com os hieróglifos apropriados. Falta apenas uma coisa; que devemos oferecer todas as coisas ardentemente desejadas nas imprecações que deveriam ter sido as primeiras e que foram procuradas novamente por seus ritmos.”


Esse encantamento de abertura contém em si, por referência poética, todas as chaves dos rituais de Circe. Ela se concentra no Sol, como sua filha, e nisso ela faz referência a sua ascendência espiritual, onde encontramos o Sol, Apolo, Pítio e Phoebus, cada um elogiado por determinadas qualidades que a própria Circe, por ditado ancestral, também pode acessar por ser a filha do sol. Por isso, vemos como o louro é importante para ela, bem como a poesia, profecia e música para se conhecer o caminho da beleza e da paz tanto quanto o caminho da flecha e da iluminação. Então ela saúda sua herança geográfica na referência de ser de diferentes locais, reais e míticos, no Mediterrâneo.


Feito isso, Circe resume sua cosmologia e onde seu foco será colocado, nomeadamente na "natureza milagrosa dos elementos" que vemos conter sua própria lei natural e são os elementos que fazem com que o mar se torne revoltoso ou acalmado - e não Deus. E Circe continua e declara que a "manifestação das idéias que nos penetra por baixo, através dos meios da alma do mundo"; portanto, plantas e minerais recebem importância radical em seu primeiro encantamento, onde é explicitamente declarado que todas as coisas materiais atraem o Espírito Universal para eles e se torna habitado por este Espírito através dos raios das estrelas.


Então vemos que é possível dizer que os rituais de Circe seguem a seguinte sequência:


1. Ela dá sua palavra, um voto ou um pacto.


2. Ela é casta em espírito no dia da convocação, o que provavelmente se refere à dedicação do dia a atividades e meditação solares, não permitindo que qualquer outra virtude ou qualidade interfira no vínculo que ela pretende criar. Quanto mais 'solar' ela conseguir permanecer neste dia, mais forte será o vínculo com o objeto. Esta preparação inclui limpeza, provavelmente uma infusão de ervas.


3. Ela ergue um altar


4. Incenso é queimado, neste caso, sândalo


5. Ela sussurra canções bárbaras e misteriosas


6. Sete tipos de perfumes são usados


7. "Afrouxamentos e as amarrações" são realizados, o que equivaleria aproximadamente a exorcismos no sentido de jogar fora as impurezas e chamar outros espíritos ou entidades simpáticas à força ou potência principal convocada, como neste caso Apolo, Pítio e Phoebus que são chamados junto ao Sol.


8. Hieroglifos ou selos e escritos mágicos são inscritos em todas as coisas.


9. O desejo/intento é apresentado, mas deve ser apresentado num ritmo, o que se entende como harmonia de intento, emoção, mente e expressão.


O que vemos aqui é um exemplo de atitude de alguém que sabe quem é e sabe o que quer. Circe faz o auto-sacrifício necessário, não por causa da humildade ou de adoração. Não, ela faz isso para poder deixar-se encher de virtudes, em ressonância com o que procura invocar, para garantir a conexão mais poderosa possível. Ela trata a força convidada com respeito, como qualquer anfitrião deve tratar um convidado, com reverência e respeito, não com humildade e mansidão. Esses elementos ficam muito evidentes mais tarde em seus encantamentos aos planetas que são de temperamento bastante diferente do que encontramos no corpus salomônico de conjurações, onde o invocador empresta a proteção e o poder de Deus e Jesus Cristo para realizar sua magia. Não há Deus, nem Jesus nos encantamentos de Circe, ela convoca em virtude de quem ela é, seu legado, ancestralidade e vasto conhecimento mágico. Esta é a forma dos sábios, uma via que demonstraremos mais adiante no próximo artigo sobre os encantamentos de Circe que lidam com conjurações planetárias.

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • cartaicone