• White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • cartaicone
  • Pri Martinelli

Cogumelo mágico "reinicia o cérebro" de pessoas deprimidas



Pesquisadores do Imperial College de Londres usaram a psilocibina - um composto psicoativo que ocorre naturalmente em alguns cogumelos psicoativos - ou "mágicos" - para tratar um pequeno número de pacientes com depressão. Esse estudo visa monitorar a função cerebral antes e depois do tratamento. Imagens do cérebro dos pacientes revelaram alterações na atividade cerebral associadas a reduções acentuadas e duradouras nos sintomas depressivos e os participantes do estudo relataram benefícios que duram até cinco semanas após o tratamento, diminuição dos sintomas depressivos, melhorias no humor e alívio do estresse.


O estudo aponta que os cogumelos mágicos podem efetivamente "redefinir" a atividade dos principais circuitos cerebrais conhecidos por desempenhar um papel na depressão. Alguns psicodélicos mostraram resultados promissores no tratamento da depressão e vícios em vários ensaios clínicos na última década.


O Dr. Robin Carhart-Harris, chefe de pesquisa psicodélica da Imperial College, que liderou o estudo, disse ao The Guardian: “Mostramos pela primeira vez mudanças claras na atividade cerebral em pessoas deprimidas tratadas com psilocibina após não responder aos tratamentos convencionais. Vários de nossos pacientes descreveram a sensação de "redefinição" após o tratamento e usaram analogias de computador. Por exemplo, um disse que sentiu como se seu cérebro tivesse sido "desfragmentado" como um disco rígido de computador, e outro disse que se sentiu "reiniciado". A psilocibina pode estar dando a esses indivíduos o 'impulso inicial' temporário que eles precisam para sair de seus estados depressivos e esses resultados de imagem provisoriamente suportam uma analogia de "redefinição". Efeitos cerebrais semelhantes a esses foram observados com a terapia eletroconvulsiva. ”


No estudo publicado na Scientific Reports foram examinados 20 pacientes com depressão resistentes a tratamento convencional que receberam duas doses de psilocibina (10 mg e 25 mg), com uma segunda dose uma semana após a primeira. Desses, 19 foram submetidos a imagens cerebrais iniciais e, em seguida, um segundo exame um dia após o tratamento com altas doses. A equipe usou dois métodos principais de imagem cerebral para medir as alterações no fluxo sanguíneo e a diafonia entre as regiões do cérebro, com os pacientes relatando seus sintomas depressivos através do preenchimento de questionários clínicos.



Psilocybe Cubensis, um gênero de cogumelos que surgem em pastos, geralmente em fezes de vacas

A ressonância magnética revelou um fluxo sanguíneo reduzido em áreas do cérebro, incluindo a amígdala, uma pequena região do cérebro em forma de amêndoa, conhecida por estar envolvida no processamento de respostas emocionais, estresse e medo. Os autores acreditam que as descobertas fornecem uma nova janela para o que acontece no cérebro das pessoas depois que elas "descem" um psicodélico, com uma desintegração inicial das redes cerebrais durante a "viagem" das drogas seguida de posteriormente uma reintegração.


No ano passado, dois outros estudos nos EUA mostraram que uma dose única de psilocibina poderia suspender a ansiedade e a depressão experimentadas por pessoas com câncer avançado por seis meses ou mais.


Os pesquisadores do Imperial College reconhecem que a significância de seus resultados é limitada pelo pequeno tamanho da amostra e pela ausência de um grupo controle / placebo para comparação. Eles também enfatizam que seria perigoso para pacientes com depressão tentarem se automedicar.


O professor David Nutt, diretor da unidade de neuropsicofarmacologia da divisão de ciências do cérebro e autor sênior do artigo, disse: “São necessários estudos maiores para verificar se esse efeito positivo pode ser reproduzido em mais pacientes. Mas essas descobertas iniciais são empolgantes e fornecem outro caminho de tratamento a ser explorado.”


Atualmente, os autores planejam testar a psilocibina em comparação a um antidepressivo líder em um estudo que deve começar no início do próximo ano.


A pesquisa foi apoiada pelo Conselho de Pesquisa Médica, pelo Alex Mosley Charitable Trust e pela Safra Foundation.


Referências:

⦁ Nature.com – Scientifics Reports Article

⦁ Pesquisa da Imperial College por; Carhart-Harris, R.L., Roseman, L., Bolstridge, M. et al. Psilocybin for treatment-resistant depression: fMRI-measured brain mechanisms. Sci Rep 7, 13187 (2017) doi:10.1038/s41598-017-13282-7

⦁ Fonte: theguardian.com.br - do original Magic mushrooms 'reboot' brain in depressed people – study escrito por Haroon Siddique